Entrevista a Bieito Silva

Certificação WELL, edifícios que cuidam da nossa saúde

Entrevista a Bieito Silva, responsável pelo certificado WELL em Espanha

Nestes tempos em que o cuidado com a saúde ocupa tantos títulos, muitas pessoas ficarão surpreendidas ao saber que não só os vírus influenciam o bem-estar das pessoas. O mesmo acontece com os edifícios. Sejamos claros: esses espaços onde passamos 90% do nosso tempo, onde vivemos, trabalhamos… têm impacto na nossa saúde. A parte boa é que esse impacto pode ser benéfico.

"Não só os vírus influenciam o bem-estar das pessoas. O mesmo acontece com os edifícios.

A Certificação WELL identifica esta nova forma de construir. Trata-se da primeira certificação centrada exclusivamente na saúde e no conforto das pessoas que utilizam o edifício. É um sistema de pontuação dinâmico que permite identificar, medir e monitorizar as características das construções que têm impacto na saúde e bem-estar dos seus ocupantes.

 

"A Certificação WELL identifica esta nova forma de construir. Trata-se da primeira certificação centrada exclusivamente na saúde e no conforto das pessoas que utilizam o edifício. É um sistema de pontuação dinâmico que permite identificar, medir e monitorizar as características das construções que têm impacto na saúde e bem-estar dos seus ocupantes.

 

“A WELL faz uma abordagem holística da saúde, considerando-a não apenas a ausência de doença, mas também um estado de bem-estar” explica Bieito Silva Potí, responsável pelo certificado WELL no Instituto Tecnológico de Galicia (ITG), parceiro do International WELL Building Institute™ (IWBI™) em Espanha. “Partindo desta premissa, é elaborado o WELL Building Standard que inclui, na sua nova versão WELL v2, 117 medidas organizadas em 10 categorias: ar, água, alimentação, iluminação, movimento, conforto térmico, som, materiais, mente e comunidade”.

 

"O facto de se basear no rendimento e não na prescrição é fundamental, o que implica uma verificação in situ para acreditar o cumprimento das medidas.

 

Algumas destas medidas centram-se em aspetos relacionados com a conceção e a construção do edifício e, outras, na fase de utilização.

Por exemplo, os sistemas de climatização radiantes são recomendados na certificação, visto que proporcionam um maior nível de conforto que os de ar e, portanto, a sua utilização permite obter uma maior pontuação. Todas as medidas são baseadas em estudos científicos.

 

"Os sistemas de climatização radiantes são recomendados na certificação, visto que proporcionam um maior nível de conforto que os de ar e, portanto, a sua utilização permite obter uma maior pontuação

Entrevista a Bieito Silva 

 

Imagem das Lajes Ativas Uponor (TABS) Reter talentos e aumentar a produtividade Falamos de uma certificação com resultados tangíveis. No caso das empresas, por exemplo, pode proporcionar mais produtividade, mais capacidade para atrair e reter talentos, e um aumento do valor do imóvel.

 

Para o funcionário, traduz-se numa maior satisfação, o que pode constituir uma redução dos níveis de stress, um aumento da produtividade… Não é por acaso que os edifícios que mais habitualmente solicitam esta certificação “são os escritórios seguidos pelo setor residencial em todas as suas fórmulas (residências para estudantes, lares de idosos, hotéis, etc.)”, assinala o responsável pelo certificado WELL no ITG.

 

 Entrevista a Bieito Silva 

 

Embora se trate de uma certificação recente (nasceu há 6 anos nos Estados Unidos e só chegou a Espanha há 4), atualmente já existe uma centena de projetos em Espanha.

 

“Em termos absolutos não é um número muito elevado – reconhece Bieito Silva -. Não obstante, se observamos a tendência vemos que nos últimos doze meses houve um aumento de 300% do número de projetos. Portanto, consideramos que o interesse é bastante alto e estamos muito otimistas em relação ao futuro da certificação a curto e a médio prazo”. Um dos inúmeros casos de sucesso que este certificado reúne é o edifício situado na Castellana 81, o primeiro edifício de escritórios WELL de Espanha, uma joia da arquitetura do arquiteto Saez de Oíza.

 

Entrevista a Bieito Silva

 

  Verificação ‘in situ’

 “O processo de certificação tem início com um registo do projeto – relata Silva

-. Uma vez realizado esse registo, a equipa de projeto conjuntamente com os proprietários devem definir a estratégia a seguir e o nível de certificação pretendido, assim como as medidas a aplicar.

Definida a estratégia, devem ser aplicadas as medidas correspondentes. O passo final consiste no processo de verificação, onde uma terceira parte independente realiza uma auditoria para acreditar o cumprimento dos requisitos”, conclui.

Este processo de verificação consta de duas partes: uma documental e outra ‘in situ’, denominada “performance verification”, na qual são realizadas inspeções visuais e testes de qualidade do ar, qualidade da água, iluminação, conforto térmico e conforto acústico. O ITG é a entidade acreditada em Espanha para realizar este processo de “performance verification”.

Como se explica, a partir do Instituto Tecnológico de Galicia, o custo da certificação é diferenciado em três âmbitos.

Em primeiro lugar, há uma série de taxas a pagar ao organismo certificador, valor este que pode ser calculado na web da WELL. Em segundo lugar, podem existir custos de consultoria incorridos no caso de contratar um profissional acreditado WELL AP, dependendo os honorários de cada profissional. Por último, podem ocorrer custos adicionais na construção do edifício que dependem de diversos fatores em função de cada projeto.

 

"Cada vez somos mais conscientes da importância da qualidade do ar na nossa saúde

Edifícios saudáveis em tempos de coronavírus

A pandemia de COVID-19 evidenciou a importância da nossa saúde e, em particular, no âmbito da edificação. “Cada vez somos mais conscientes da importância da qualidade do ar na nossa saúde - explica Bieito Silva -. Ou seja, notámos um aumento no interesse em torno da certificação WELL e também em questões associadas à saúde em geral”. Tanto assim é que, no ITG, foi desenvolvido, com grande aceitação, um serviço de monitorização da qualidade do ar em tempo real que permite conhecer a qualidade do ar que respiramos em cada momento.

 

Mais informações em https://wellservices.itg.es/

Bieito Silva, responsável pelo certificado WELL no Instituto Tecnológico de Galicia (ITG), parceiro do International WELL Building Institute™ (IWBI™) em Espanha